top of page
  • Foto do escritorwarzeé

Dezoito e trinta e sete

Me afogo em soluços cortantes

Dilaceram a alma e criam sinais alarmantes

Será que estou só?

Ficarei aqui?

Imersa na imensidão do destino ideal

Sigo passos aos soluços de quem não espera a convulsão

Ajeito o segredo do simples espaço no chão

Não

Incerteza que fere até que tudo se regenere

Espio sob o véu do futuro, a porta fechada entre o abismo e o muro

Não me peças

Grito e sussurro

“Me acolhe!”

Sou filha do mundo




28 de outubro de 2020 | 18:37

quarentena

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Sou água

Tenho precisado evaporar Me desmanchar suavemente E mesclar esse excedente Com o que existe do lado de lá Pois cá, dentro, o que se entende É muito pouco antes que muita mente Me pergunte o que é que

sem freio

não sei se vou ou volto se avanço ou paro no sinal te respiro num soco pronto e te retrato em espiral no sol recrio o sonho à noite receio o irreal cerro os olhos pra longe enxergar o borrão afinal tu

Chá pra cá

O deslizar da pena no papel Recria a conexão Com o que um dia esteve cá Me invade como o puro mel Numa manhã doce de verão Ou em um quente gole de chá 22 de dezembro de 2021 | 22:13

bottom of page